É carioca, 48 anos, educador e coordenador do Baía de Guanabara 500 Anos de Muita Vida – BG500 (https://www.thebigproject.life/ed-urca-beach-brazil/) – programa de proteção e educação ambiental que atua na Praia da Urca, Rio de Janeiro com foco na redução da geração do lixo marinho.

O BG500 desenvolveu uma metodologia de sensibilização através de atividades de mergulho com resgate da fauna associada aos resíduos sólidos descartados de forma irregular e depositados no fundo do mar – removendo esses pequenos organismos marinhos do lixo coletado, o público se aproxima da problemática e se compreende como ator dos impactos de suas escolhas e ações na natureza.

Atualmente colabora com o projeto de extensão ProBioVivo, da UniRio, que pretende integrar a universidade com a comunidade para avaliar as metodologias pedagógicas do BG500, onde estagiários vão avaliar a complexidade dos ciclos biogeoquímicos dos resíduos sólidos depois que caem em corpos hídricos.

Ed ainda é chef vegetariano e bartender do Mercado Fundição (Lapa, Rio de Janeiro).

Jornalista, com pós em Marketing e Gestão ambiental. Nos últimos 10 anos vem atuando  junto a diferentes instituições, entre elas, a Associação Brasileira de Combate ao Lixo Marinho, a Associação Favela Mais Limpa, Argilando, o Movimento Lixo Zero, o Instituto Mar Adentro e a WWF Brasil, em várias frentes como voluntária, mobilizadora, comunicadora e gestora de ações de limpeza de praia, além de projetos para implementação e adoção de melhores práticas nos diversos segmentos sociais.

Fernanda é  a criadora do Bota para Girar, consultoria de projetos de Educação Ambiental, Educação para Sustentabilidade e Treinamentos; e blog de notícias, que visa a construção de uma sociedade mais consciente e responsável com a natureza e todos os seres vivos, compartilhando histórias de pessoas, grupos e instituições que estão fazendo a diferença rumo à transformação para a sustentabilidade do mundo.

Formado no curso Licenciatura Específica em Biologia da Universidade Estadual Vale do Acaraú /UVA em 2008. Pos Graduando em Gestão e Educação Ambiental na Uniasselvi. Pesquisador, ambientalista e arte-educador popular vêm desenvolvendo no Ceará desde 1993, atividades como, coordenador e executor de trabalhos científicos, técnicos, palestras, oficinas, cursos, exposições, capacitações, apresentações e campanhas ambientais realizando trabalhos através de ONG’s no Ceará. Realizou trabalhos sócio-ambientais no Instituto de Ciências do Mar/ UFC; na Fundação CEPEMA; na GRANT – Geophysical do Brasil /
Departamento de Segurança e Meio Ambiente no “Monitoramento da Biota e Atividade Pesqueira no Levantamento de Dados Sísmicos na Bacia de Camamu-Almada”, Bahia. 2004. Pela AQUASIS na DEVON – Subprojeto I – Monitoramento de Cetáceos, Sirênios e Quelônios na Área de Influência do Bloco BPOT2 (Bacia Potiguar) – Ceará e Rio Grande do Norte 2001.

Foi do Grupo Gestor de projetos desenvolvidos na Diaconia – Sociedade Civil de Ação Social; na Associação dos Moradores do Planalto do Pici – AMOCAP e na União dos Moradores do Bairro do Canindezinho – UMBC no Projeto Bom Jardim com Arte – BOMJART.

Foi coordenador pedagógico no Colégio 21 de Abril em Fortaleza, do Pré-Vestibular, Ensino Médio e Supletivo. Desenvolveu projetos e aulas ambientais para escolas criando o Grupo Gaia.

Desenvolveu e coordenou, voluntariamente, vários projeto sócio-ambientais e culturais voltados para o desenvolvimento e a formação da cultura popular com crianças e adolescentes em vários municípios do Ceará através das linguagens de cultura popular brasileira e de matriz africana (percussão, danças circulares, capoeira etc.).

Membro sócio fundador da Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos/AQUASIS, participando desde sua fundação participando da gestão, pesquisas e projetos nas regiões da zona costeira e serranas do Ceará e no Programa de Educação Ambiental da AQUASIS, nos campos da etnobiologia e educação ambiental, voltado para o desenvolvimento das comunidades e a conservação da biodiversidade do Ceará; sendo sua bandeira as três espécies mais ameaçadas de extinção no Brasil, o Peixe-boi marinho, Periquito cara-suja e Soldadinho do Araripe.

Prestou Assessória em Meio Ambiente junto ao Instituto Cuca, em 2012, vinda a trabalhar a construção das “Diretrizes e estratégias para trabalhar, a educação ambiental e temática ambientais no Instituto CUCA da Barra”.

Na AQUASIS ajudou a desenvolver o Programa de Educação Ambiental coordenou o: “Projeto Brigada da Natureza” (2010 a 2013) em Caucaia, e coordenou atividades educativas no “Salão de Visitantes do Centro de Reabilitação de Mamíferos Aquáticos” (2010 – 2014) no SESC de Iparana. Trabalhou nas ações pedagógicas e técnicas do Projeto MANATÍ, desenvolvido pelo Programa de Mamíferos Marinhos da AQUASIS e nos Projetos do Periquito Cara-suja e Soldadinho do Araripe do Programa de Aves da AQUASIS. Coordenou o “Projeto Gaivotas Uma Aliança com o Ceará” (2010 – 2016) em Aracati/CE.

De 2011 a 2019 participou na produção e organização das edições do Projeto Encontro SESC Povos do Mar: Socialização das Práticas e Saberes das Comunidades Litorâneas. É palestrante convidado do mesmo evento nos últimos 9 anos.

Trabalhou como Gestor Ambiental e Secretário Administrativo do Instituto Povo do Mar/ IPOM .2015/2016.

Trabalhou na Gestão e Execução em projeto de educação ambiental com reciclagem com escolas municipais de Fortaleza no Instituto Vida Cidadão. 2019

Membro do Conselho Gestor das Unidades de Conservação Estaduais do Parque Botânico do Ceará, da Apa do Rio Ceará e do Parque Marinho da Pedra da Risca do Meio. 2017/2020

Membro da Associação Brasileira de Combate ao Lixo Marinho / ABLM. 2015/2020

Atualmente coordena e executa um trabalho de educação ambiental e conservação marinha coordenando o “Projeto Limpando o Mundo – Ceará” 1996/2020 e a “Estação Itinerante Ambiental”. 2019/2020

Marítimo, Operador de Carga de Navios Gaseiros; Petroleiro e Químico; Auditor Interno em Sistema de Gestão Integrada – SGI; Tecnólogo em Gestão e Planejamento Ambiental, com Especialização em Agenda 21; ODS; e Educação Ambiental.

Antropólogo, especialista em Coordenação de Grupos Operativos, pós-graduado em Gestão Ambiental e mestre em Ciências Ambientais pela Universidade de São Paulo. Possui +15 anos de experiência em projetos sociais e socioambientais junto a ONGs, Movimentos Sociais, Sindicatos, órgãos públicos e comunidades tradicionais.

Marco é membro fundador e atual presidente do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira de Combate ao Lixo no Mar.

Foi pesquisadora do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos – Bio Manguinhos, da Fiocruz. É Doutora em microbiologia, pesquisadora em microbiologia ambiental e biologia molecular, ecóloga, perita ambiental e professora. 

Considerando a limpeza das bacias hidrográficas como último horizonte para salvar os oceanos, já que toneladas de lixo que atingem os oceanos são levadas através dos rios que recebem os resíduos descartados indevidamente nas suas margens, Marlise iniciou atuação junto ao Comitê de Bacias Hidrográficas da Cidade do Rio de Janeiro (Baía de Guanabara), para discutir e negociar as questões relacionadas à gestão dos recursos hídricos, aos diferentes usos da água das bacias, incluindo propostas de defesa da qualidade das águas e ações para difundir os princípios da educação ambiental.

Oceanógrafo, 60 anos, capitão amador com experiência de navegação no Atlântico Sul, Central e Norte, mestre em Saúde Pública / Epidemiologia, atua com gestão costeira desde 1985, em todos os estados litorâneos brasileiros, unidades de conservação, pesca artesanal e turismo náutico.

Foi consultor do PNUD em avaliação do Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro para a Rio 92 e Rio +20 e identifica um grande potencial para o uso de embarcações movidas a vela para estimular o conhecimento e interesse da população para os ecossistemas do território costeiro e marinho brasileiros, sua potencialidade, limitações e o importante papel exercido pelas populações que há gerações dependem desse ambiente vital: os pescadores artesanais.

Atualmente está preparando tese de doutoramento junto à Universidade Federal Fluminense para estudar a biogeoquímica do lixo na Baía de Guanabara – fontes geradoras, métodos diretos e indiretos para avaliação, impactos ao meio, riscos à saúde humana e exportação para a região costeira adjacente.

Paulo trabalha em um escritório flutuante, o veleiro Sinergia (33 pés), ancorado na Urca, onde oferece passeios, curso de arrais amador e atividades para estudos de meio.

 

Aos 53 anos, carioca, arquiteto e urbanista (UFRJ), especialista em resíduos sólidos, atua como coordenador da limpeza urbana de Niterói desde 2001 na CLIN – Companhia Municipal de Limpeza Urbana de Niterói e membro do COMAN – Conselho de Meio Ambiente de Niterói.

Trabalha o lixo marinho, organizando grupos de profissionais e voluntários nas limpezas de praias e rios, num esforço conjunto com a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos e Sustentabilidade do município.

Ricardo foi jogador de rugby do Niterói Rugby Football Clube (1973); e de futebol, pelo Rio Cricket & Associação Atlética (1972), sempre buscando a primazia do trabalho coletivo e harmônico.

Produtor e diretor de conteúdo audiovisual desde 1999, passou por canais de televisão, agências e produtoras. 

Idealizou e coordena o Projeto Verde Mar (www.projetoverdemar.com), com ações de coletas de resíduos do fundo do mar para sensibilização, educação e pesquisa científica, além de atuar em políticas públicas e na produção de conteúdo digital para divulgação científica e de assuntos relacionados à conservação marinha.

Possui graduação em Engenharia de Materiais pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003), especialização em Ciência dos Materiais pela Universidade de Aveiro (2005), mestrado em Engenharia de Materiais pela Technische Universität Hamburg-Harburg (2007), doutorado em Ciência e Alta Tecnologia pela Università degli Studi di Torino (2010), pós-doutorado em pesquisa no departamento de engenharia química e ambiental da University of Nottingham (2015).

Tem experiência na área de Ciência e Engenharia de Materiais, com ênfase em estrutura cristalográfica dos materiais, termodinâmica do estado solido, e conversão térmica de termoplásticos e de biomassa residual. Atuou como principal pesquisadora em lixo marinho junto ao projeto Veleiro ECO da UFSC (Florianopolis, SC) e realizou pos-doutorado com a pesquisadora Paula Sobral, NOVA (Lisboa, PT), também presidente da APLM (Associação Portuguesa de Lixo Marinho).

Neste período atuei dentro da ABLM e junto a outros pesquisadores/ONGs no desenvolvimento da proposta selecionada no programa PSA (Petrobras SocioAmbiental) – ECO do Lixo Marinho na Biodiversidade. Foi idealizadora e colaborou para realização do I Encontro sobre Lixo Marinho no Atlântico do Sul (Itajaí, SC).

Publicitário por formação e ambientalista por vocação, sempre buscou conciliar suas agendas. De um lado editou revistas, viabilizou eventos e patrocínio. Do outro, cuidava das praias de muitas maneiras.

Estreou coordenando os Xerifes da Areia, uma autêntica parceria entre sociedade civil e a prefeitura do Rio que começou pequena, na praia que frequentava, depois virou uma grande campanha espalhada nos outdoors da cidade, com ações e mutirões diversos. Dois anos depois, conheceu a Surfrider Foundation Brasil, onde entrou voluntário e saiu diretor executivo. Lá fez captação de novos negócios, mobilização∕engajamento das pessoas e organização de ações ativistas.

A Surfrider Brasil foi pioneira em:
– Gestão ambiental de eventos na orla (etapas regionais, mundiais, shows)
– Projeção nacional em revistas de surf. E diária, por ano e meio, em horário nobre da SporTV
– Criação do Dia Nacional de limpeza de praias, ao final do verão brasileiro (com reconhecimento da ALERJ pela iniciativa)

Ao mudar de estado, se afastou das praias, mas não da causa. Atualmente, reside em SP, onde é corretor de imóveis e se reaproximou do litoral após conhecer a pluralidade e capacidade técnica da ABLM, do qual também faz parte.

Mestre em Gestão Econômica do Meio Ambiente pela UnB. Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Experiência desde 2009 com Desenvolvimento Comunitário Participativo em comunidades e com cooperativas de catadores, tendo participado do Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal, do Pró Catador com atuação em todo território Nacional entre outras atividades.

Diretora da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES/DF, representante da instituição no CORC/DF, membro da Câmara Técnica de Resíduos Sólidos Nacional.